A Biografia de um Botão

Certa manhã soalheira de novembro, eu acordara no meu habitual casaco castanho, pendurado na velha fábrica onde nascera. Ninguém me comprara e já estava aborrecido de ali estar. Até começava a ter pesadelos. Sonhava que me atiravam para o lixo por ninguém me desejar. Congeminava que era o meu fim, mas, no final, tudo não … LER MAIS

Faça Lá um Poema

O Plano Nacional de Leitura convida todas as Escolas do território nacional a participar na 8.ª Edição do Concurso Faça Lá um Poema, FLP, 2016/2017. O Concurso decorre entre dezembro de 2016 e março de 2017. Os responsáveis, em cada escola, pela organização do Concurso Faça lá um Poema, devem providenciar para que os textos … LER MAIS

Mário Soares deixou-nos e deixou-nos tudo

Mário Soares não levou nada com ele. Deixou tudo connosco. É essa a maior generosidade que uma pessoa pode ter: querer tudo para os outros e dedicar a vida a lutar por isso — e por nós. Mário Soares não se importava que não gostassem dele. Ia em frente, achassem o que achassem. É essa … LER MAIS

Um Botão Sentimental

Era um grande botão encarnado. Nascera numa fábrica longínqua, do tronco de um carvalho antiquíssimo. Daí, entrara numa máquina complexa que o recortara em forma de círculo, com quatro pequenas fendas e um rebordo trabalhado. Mais tarde, fora cosido a um casaco vermelho muito elegante e, posteriormente, oferecido a uma menina alegre e imaginativa, que … LER MAIS

Um Pássaro Determinado

O sol abrasava toda a floresta e eu, o pássaro mais divertido e aventureiro do mundo, sentia o calor intenso até nas penas. Era um belo dia de agosto e precisava de alimentar as minhas crias. Procurava especificamente uvas suculentas e saborosas e estava tão determinado na minha função que nem o calor cruel me … LER MAIS

Urbe lisboeta

Foi um mistério que atormentou durante anos os funcionários do Arquivo Municipal Fotográfico de Lisboa. Quem teria andado pela cidade, entre 1898 e 1908, a fazer fotografias dos prédios e das ruas de uma forma tão estudada e sistemática? Arthur Júlio Machado e José Candido d’Assumpção e Souza, que trabalhavam na Câmara como desenhadores no … LER MAIS

O Rapaz que Gostava de Ajudar

Era um rapaz sereno e reservado e chamava-se João. Vivia numa pequena e pitoresca aldeia, que ficava escondida numa encosta íngreme e acidentada. O rapaz era pobre e a sua mãe cozia pão para comer e para vender, garantindo, assim, algum sustento. Como era simpático e educado, todos o conheciam e apreciavam, pedindo-lhe vários favores … LER MAIS