“O Ano da Morte de Ricardo Reis” — Peça de Teatro da Companhia Éter

A peça O Ano da Morte de Ricardo Reis, baseada na obra homónima publicada por José Saramago em 1982, procura ser fiel à essência do romance, adaptando-o, ainda assim, de forma inovadora.

Após uma leitura da obra, seria natural o leitor esperar um texto dramático denso e extenso, que procurasse igualar os pormenores imaginados pelo autor relativamente aos últimos meses de vida de Ricardo Reis. No entanto, a inclusão de dois planos de ação coincidentes, encabeçados por Saramago e por Pessoa, confere à peça um lado cómico, concedendo-lhe uma leveza estimulante.

Deste modo, a constante sátira ao regime fascista, concretizada no texto pela personagem representada por Hugo Bettencourt — que dá corpo ao Saramago comunista, sagaz e arguto —, alternada com a descrição do poeta Fernando Pessoa, que é transformado num ser jocoso, retira “gravitas” à obra.

Por outro lado, a companhia Éter conseguiu, de forma excecional, revelar o conflito literário no qual o título da obra está alicerçado – a morte literária do classicista inventado por Pessoa. Assim, através das discussões entre os escritores, a peça denuncia as entrelinhas da obra, clarificando as intenções do autor – “ficção, sobre ficção, sobre ficção”.

A apresentação inicial das personagens e o encadeamento dos momentos cruciais da ação tornam a peça acessível àqueles que não têm conhecimento da obra da qual esta parte. Todavia, a ausência de personagens pitorescas, como Pimenta e Salvador, torna o texto excessivamente despojado. Dito isto, e não o podendo deixar passar em claro, também a personagem de Marcenda é um pouco desvirtuada, já que, na peça, o seu pudor é substituído por uma ousadia atípica da personagem retraída descrita por Saramago.

Em jeito de conclusão, a peça apresentada no convento de Mafra revela uma faceta mais divertida da obra de Saramago, conservando, embora com pouco detalhe, o fulcral do enredo da obra.

Beatriz Faria, 12.ºC

FICHA TÉCNICA E ARTÍSTICA

Texto: José Saramago;
Adaptação Dramatúrgica: Filomena Oliveira e Miguel Real;
Encenação: Filomena Oliveira;
Música Original e Orgânica Sonora: David Martins;

Interpretação:
(Saramago) Hugo Bettencourt;
(Pessoa) Miguel Mendes;
(Ricardo Reis) Rogério Jacques;
(Lídia) Leonor Cabral;
(Marcenda) Sara Rio Frio;

Vídeo: Barnabé Freixo
Operação Técnica: David Martins, Nuno Gomes, Carlos Arroja, Barnabé Freixo ou Pedro Florentino
Design: Rafael Galhardas 

Produção: ÉTER – Produção Cultural

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *