Peregrinos por um dia.

dsc_0758No passado dia quatro, os alunos do décimo ano do Colégio Luso-Francês embarcaram numa viagem pelo trilho do lirismo trovadoresco e, paralelamente, rumo à descoberta do passado medieval pela Galiza. Assim, o Português e a História tomaram papel de guias nesta demanda por terras castelhanas.

Primeiramente, após a leitura de cantigas nos locais de inspiração dos poetas – Vigo, San Simón e Sar -, explorámos a cidade histórica de Pontevedra, baseando a nossa curta visita na Capela da Virgem Peregrina (erguida segundo o estilo barroco para auxiliar os peregrinos) e o Convento de S. Francisco (onde jaz Paio Gómez Charinho, trovador galego). Posteriormente, tivemos a oportunidade de admirar a cidade medieval de Santiago, vagueando pelas longas ruas, cinzentas e afuniladas e repousando nas amplas praças (Praça das Platerias e do Obradoiro). A Catedral de Santiago, protagonista de uma tradição milenar, arquitetura intemporal e devoção espiritual, marcou incomensuravelmente a nossa visita.

Destinados a percorrer as “calles” desconhecidas, fomos boicotados pelas as condições climáticas que não se encontravam a nosso favor. Contudo, a determinação, tanto dos alunos como dos professores, permitiu anular os impactos de qualquer fator extrínseco. Para além disso, não raras vezes, a História primou em relação à “expedição” literária. Tal situação poderia conferir à visita um aspeto enfadonho; todavia, todos os participantes, mesmo os alunos de ciências exatas, escutaram, atentamente, a divulgação dos factos históricos, feita com grande rigor, dinamismo e veracidade.

Em conclusão, a união, cultural e literária, entre o Minho e a Galiza ocupou o papel principal da nossa excursão. Caminhando, contentes, pela chuva, tornámo-nos peregrinos por um dia.

Inês Figueiredo, 10.ºB

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *