“Chocolate”, de Joanne Harris

Chocolate, publicado em 1999, revelou-se um sucesso, tendo recebido um dos mais prestigiados prémios da literatura britânica (Whitbread Award) e sendo adaptado ao cinema. Joanne Harris, a autora, é uma escritora britânica, com ascendência francesa, o que explica a sua ligação a França, visível na obra em análise. A diegese do livro ocorre na aldeia … LER MAIS

“As Histórias que não se contam”, de Susana Piedade

As Histórias que não se contam, uma estreia de Susana Piedade, é um romance que descreve a vida de uma forma genuína, acompanhada por momentos de partilha, solidão, reencontro e união. O enredo leva-nos a conhecer e a ouvir atentamente as histórias envolventes de três mulheres do Porto, cujas vidas ficaram marcadas perpetuamente. Ana, talvez … LER MAIS

“Admirável Mundo Novo”, de Aldous Huxley

O livro “Admirável mundo novo” de Aldous Huxley trata-se de um romance distópico que retrata um hipotético futuro longínquo onde os seres humanos são pré condicionados bio e psicologicamente, com vista a obter as tão esperadas harmonia e organização sociais. Através de uma sociedade dividida em “castas”, cada ser humano é automaticamente obrigado, desde o … LER MAIS

Tabacaria

O mundo é para quem nasce para o conquistar E não para quem sonha que pode conquistá-lo, ainda que tenha razão. Tenho sonhado mais que o que Napoleão fez. Tenho apertado ao peito hipotético mais humanidades do que Cristo, Tenho feito filosofias em segredo que nenhum Kant escreveu. Mas sou, e talvez serei sempre, o … LER MAIS

Poetas do Mundo #5

Horácio (século I a.c.) foi um dos mais importantes poetas latinos, autor, na célebre Epístola aos Pisões, de uma Arte Poética — que foi o mais importante texto de teorização poética, depois de Aristóteles, e o mais referenciado nos séculos posteriores, particularmente pelos clássicos da Renascença. Para além disso, também a nível temático e formal … LER MAIS

“Nox”, de Antero de Quental

Noite, vão para ti meus pensamentos, Quando olho e vejo, à luz cruel do dia, Tanto estéril lutar, tanta agonia, E inúteis tantos ásperos tormentos… Tu, ao menos, abafas os lamentos, Que se exalam da trágica enxovia… O eterno Mal, que ruge e desvaria, Em ti descansa e esquece alguns momentos… Oh! Antes tu também … LER MAIS

25 de Abril

Esta é a madrugada que eu esperava o dia inicial inteiro e limpo Onde emergimos da noite e do silêncio E livres habitamos a substância do tempo Sophia de Mello Breyner Andresen, in O Nome das Coisas, 197