O que andamos a ler no 10º, 11º e 12º anos

Sábado, 28 de Março de 1813   Durante esta manhã, e na esperança de avistar Miss Elizabeth, encaminhei-me para o seu recanto preferido. Vagueava pelo parque havia já cerca de uma hora, quando encontrei a minha amada senhora de olhos vivos e um tanto misteriosos. Apercebendo-me das suas intenções de se afastar, apressei o passo … LER MAIS

Desafio Literário (9.º ano)

Para além de Fernando Pessoa, outros poetas portugueses se referiram, em verso, ao inesquecível episódio “O Adamastor”, de Os Lusíadas. Um deles (nascido no século XVIII e desaparecido no século XIX) alude, num soneto, a uma das profecias do Gigante. Transcreva na caixa de comentários o soneto em causa e indique a profecia que o … LER MAIS

ENTRE A FOLHAGEM # 1

Na condição de bibliófilo, tenho reunido na minha biblioteca primeiras edições de autores dos séculos XIX e XX. Acredito que as palavras de Jorge Luis Borges: “Siempre imaginé que el Paraíso sería algún tipo de biblioteca”… têm ainda mais sentido quando se folheiam livros como O Culto do Chá [1905] de Wenceslau de Moraes [impresso em … LER MAIS

Desafio Literário (Resposta)

Nascido Adolfo Correia da Rocha, Miguel Torga tornou-se um dos poetas portugueses mais relevantes do século XX. Mito de idealismo e revolta, a sua poesia testemunha a condição do Homem exposto às suas limitações e à sua finitude. Poemas Ibéricos, obra publicada em 1965 e na qual se inclui o poema “Camões”, evoca outros “épicos … LER MAIS

Ler, escrever, ser mulher. Perigo!

Há alguns anos ofereceram-me um belíssimo livro ilustrado que se chamava As Mulheres Que Lêem São Perigosas. Não era, embora possa parecer, um manifesto machista contra a leitura praticada por membros do sexo feminino, mas tão-só um excelente apanhado de pinturas representando mulheres a lerem nos mais variados contextos e épocas. Um dia destes, porém, mandaram-me … LER MAIS

No rescaldo das Correntes d’Escritas

UBIQUIDADE Escrevo em Lisboa, mas o alimento para estas palavras veio da Póvoa de Varzim. […] Sábado, 15h, Teatro Almeida Garrett à cunha. “Nada acaba no fim”, chama-se a última sessão deste périplo de emoções escritas, lidas, ditas. Livros. Mas «se não forem lidos, se não lhes acrescentarmos tempo, eles não existem», realça José Luís … LER MAIS

Desafio Literário

Muitos foram os poetas que, ao longo dos séculos, cantaram a grandeza de Luís de Camões, em Portugal ou fora dele. De Almeida Garrett a Lord Byron, de Fernando Pessoa a Jorge Luis Borges,  todos prestaram homenagem, implícita ou explicitamente, ao poeta de Os Lusíadas, utilizando diferentes formas para exprimir a sua admiração e o seu reconhecimento. … LER MAIS